Blogalizando


A Ferida

"Homenageio o que não foste,

amo-te in effigie,
lembro com as pontas dos dedos.

Não deixei que fosses
tudo aquilo que pretendias

também, não podia,
tinha medo,
movia-me sem graça

não que hoje a tenha

a graça...

Mas, responda-me,
com calma,
que é pra eu poder entender:

casar, precisava?"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 00h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Vice Verso

"Já não quero
ser o primeiro

me basta ser vice
ou verso"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 07h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Canção de Verão

"Pego um copo,
boto água,
duas colheres de sopa:
TEMPESTADE!"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 02h19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Além de Mim

"Tenho vivido
demais
em mim.
O que pensarei
ao notar que
em tudo
de todas as coisas
reside a vontade,
inexprimível vontade,
de ser absoluta-
mente
o que falta
pra sermos
todos
exatamente
diferentes?"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 06h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O Que Me Diz

"Não importa o que você me fala,
você diz,
eu acredito!
Sem perguntar,
sem nem você querer dizer,
sem me pedir pra ouvir,
eu acredito!
E sigo suas palavras,
o cheiro delas,
o cheiro próprio
e inconfundível
que elas exalam,
não só ao serem ditas,
principalmente ao serem caladas.
O que não paro de me perguntar
é sempre a mesma coisa:
você disse ou fui eu quem senti?"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 21h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Carta de Amor no Carnaval

"Li cada confete procurando mensagens de amor...

agora eles estão espalhados no meu quarto...

são como sua presença, se espalhando por meu ano..."



Escrito por Sandman às 05h10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Costume

"Costume é o nome que damos
às pequenas opressões
cotidianas
das quais somos vítimas
e autores
e nem percebemos.
É como, as seis da tarde,
ofender o sol,
desejando a todos 'boa noite!"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 19h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Oração

"Suspendam o tempo
pra eu viver sempre o já
pra eu saborear apenas o agora.
Tirem da vida
a capacidade de mover-se à frente
sem direção ou propósito
e recoloquem as coisas nos eixos
como elas devem ser.
Deixem-me dizer o que não disse antes
sem as consequências futuras
inevitáveis d'eu ter dito
exatamente o que queria.
Que minhas ações sejam imediatas
pra sempre
e não respostas tardias
pra perguntas as quais eu não queria ouvir.
Não deixem a vida passar tão rápido
e me dêem lucidez
pra agir de forma correta
porque a hora é sempre agora
e meu agora é curto demais pra esperar."

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 19h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O Que Não É!

"Não é abstrato
surreal
ou ilusório

Não se mente
não sem engana
não se esconde

Não faz diferença
não diferencia
não termina

nunca muda!

Não é leve
não é simples
não faz silêncio

Não salva
absolve
ou condena

não brinca
não tem pena
nada supera

Não mata
não cega
não lesa

É... e pronto!"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 23h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Jantar

"Eu fico de sobreaviso,
eu leio com cuidado,
mas penso com carinho.

Eu evito o sonho,
eu critico com raiva,
mas devoro com gosto.

Alerta, soldado!
Me diz o senso,;

Crítico, otário!

... só sei interpretar
aquilo que quero.

Querer indissolúvel,
apaziguamento impossível,

cada carta é um banquete,
mesmo o mais amargo:

saboreio as palavras
como quem não te come há dias!"

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 01h15
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Eis A Questão

"Quando a dor se aproxima,
fazendo eu perder a calma,
passo uma esponja de rima
nos ferimentos da alma."
(Cordel do Fogo Encantado)

Do tudo que sou
e o que não sou
e da facilidade
e da dificuldade
do Ser.

Motivação:
a ditadura da atitude
e a suprema vontade
da vida
expressa
naquilo que creio
ser o melhor dos outros

Tudo isso em mim
de mim
mas só pra mim

E pra ninguém interesse
o meu não ser
o meu penar
o meu gozo
meu trabalho

minha preguiça

E o que me vale
e o que te vale
quando o que vale
vale dentro
de tudo aquilo

que o outro tem pra me dar?

Sinto lhe desapontar:
sou tudo aquilo
que você nunca será!

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 22h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




"Amanheceu outro sol que trará
a luz, outro dia, sol lunar.
E pro longe existir
eu vou dizer do meu desejo de fazer
tudo mudar..."
(Graveola e o Lixo Polifônico)

Lembrança

"Quantos anos se passaram?
Um? Dois? Todos?
E a que velocidade eles se foram?
A contrária a da luz:
eu ainda estou lá!
Pra lembrar
deixo meu quarto bagunçado,
mas já não há mais,
na desorganização das memórias
seu guaraná sem gás,
sua água quente,
sua escova ainda molhada
e os pássaros de papel
que construiu enquanto eu dormia.
Nem meu escuro,
nem meu sono:
nada!
Minha mão em suas calças:
Pára!
A porta aberta
é pra quem quer entrar;
o coração aberto
é pro que quer sair...
A música baixa
é o consolo daquele que quer chorar."

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 05h21
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Da Não-Existência

"Do nada ao pó,
a não-existência,
que não é
de forma alguma,
oposto ou contrário
do conhecido
como vida.

Condição da qual
nunca se chega,
pra sempre se vai,
pra onde se vai
e onde nunca se está.

Qual sagrado
ou profano,
qual Nada.

Recordação não há,
a vida é impressa,
indelével,
não totalmente
rememorável,
mas pungente;

está no corpo,
está no ar,
por dentro
e por fora,
na mente
e fora dela,

só não há
o que Não-Haverá.

Recorda-te da vida que tiveste
em cada momento da vida que terás."

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 02h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Fascinação

"Uma coisa não nego,

me fascina:

as vezes uma vida inteira

vira poesia;

você lê,

raciocina

e afirma:

'Meu, que porcaria!' "

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 20h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Um Vento

"O vento bate a porta do quarto,
mesmo vento frio
que te sopra pra embora.
Eu o ignoro e
na ânsia de mais um pouco de si
te persigo.
Chove e a chuva te escorre;
lânguido que sou
não te bebo,
tenho medo;
prolongamentos infinitos dos momentos de despedida.
O vento não abre portas
e a chuva não seca dores.
Afelicidadeétãocurtaquantoexiste!
Mas o vento foi forte
e minha personalidade, marcante:
encontro abrigo na calça jeans mais velha
e no rancor do rival mais próximo.
Vou enumerando os poemas que não te escrevi."

Diego Filipe



Escrito por Sandman às 19h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO LOURENCO, Homem
Histórico
Outros sites
  Metamorfose Pensante
  As Cartas de Elise
  Visceral
  Exilibris
  Diego Filipe - Recanto das Letras
  Homens do Pântano
  Consciência
Votação
  Dê uma nota para meu blog